Como ter uma vida feliz estando sozinho (ou desenvolvendo o amor próprio)

Recentemente eu conheci um carinha. A gente passou alguns dias conversando e, nossa!, na minha mente parecia que a coisa iria se tornar um relacionamento sério. Logicamente, as minhas ilusões foram despertadas graças aos “sinais” que o menino dava de que queria algo. (Claro que a carência também ajudou um pouquinho nas minhas fantasias!)

Após uma semana de papo, marquei um encontro com o contatinho que consegui através do Tinder. Mesmo sabendo que usar o app é sinônimo de furada, eu fui. 👏👎

Devo esclarecer uma coisa antes de prosseguir a história: a ansiedade e insegurança se fizeram presentes durante boa parte do tempo em que estive conhecendo o carinha. Passei por crises, ausência de fome… Foi tenso! 😐

Eu tinha o “crush” como um deus. Via ele como um cara mais lindo do mundo, perfeito… E eu era apenas o Adriel-idiotão. Feio demais pro menino, sem nada de especial, etc. Sabe o que é autosabotagem? Era mais ou menos por aí.

No dia do encontro, fui todo fofinho e até abri mão da minha timidez. Resultado: nem 2h comigo, o menino disse que ia sair com uns amigos e tchau. No outro dia ele falou comigo, depois também e, no fim, sumiu . E QUE BOM! O carinha que disse que era o seu crush, que iríamos sair mais vezes e tals sumiu. E QUE BOM!

Depois do pé na bunda (se é que posso chamar disso!), vi que precisava dar um up na minha vida, me amar mais e, claro, focar na positividade. Fui pra frente do espelho e me olhei de corpo inteiro, pelado. Vi a imagem do meu corpo, analisei o que mais amava em mim e o que mais detestava.

Mentalmente, fiz uma lista de atitudes que deveria tomar, sendo uma delas controlar o meu psicológico, pois se ele estivesse bem, 50% dos meus problemas estariam resolvidos. Parti pra meditação pra me entender melhor. Funcionou.

Já com as possíveis soluções em mãos, me olhei no espelho e comecei a analisar novamente os meus “defeitos” e qualidades. Na verdade, passei a olhar pras gordurinhas não como inimigas, mas sim com o objetivo de me despedir delas aos poucos, sem neura.

Depois que passei a meditar, comecei a me olhar com os olhos do coração, vendo a beleza que existia em mim e eu nunca havia visto. Sabe aquelas gordurinhas? Elas são consequências da minha ansiedade, então, comecei a controlá-la com exercícios físicos e… Veja só: os quilos começaram a diminuir!

Tendo resultados físicos positivos e a mente funcionando 100%, hoje posso dizer sem medo que me amo pra caralho. 😍 Amo os defeitos, qualidades e tals. Amo os meus olhos, meus cabelos crespos, meus dentes desalinhados, minhas pernas grossas… Amo tudo em mim! Mesmo quando mudar o meu corpo (a meta é essa!), continuarei amando quem fui e serei!

A gente não precisa de namorado/contatinho/crush ou que alguém nos elogie pra se sentir bem. Precisamos apenas nos olhar com os olhos do coração e nos aceitar, pois dificilmente os outros irão fazer o mesmo conosco.

Seja lá o defeito/problema que tivermos, tratar do psicológico resolverá muita coisa. Sendo assim, ore, medite, vai na terapia… Cuide da sua mente-manipuladora-da-realidade.
Quanto ao carinha, não sei o que faz da vida. Se reencontrasse-o, agradeceria tanto por ter me ajudado. É aquela coisa… Há males que vêm pro bem! 🙂
10 Comentários

10 Comentários em "Como ter uma vida feliz estando sozinho (ou desenvolvendo o amor próprio)"

  1. Ah, que post lindo!!!
    Voce é uma pessoa maravilhosa, eu já disse isso e vou continuar dizendo sempre.
    Gostei muito disso de amar até os defeitos, mesmo não querendo eles você os ama e isso é uma evolução enorme. Eu concordo muito contigo, a maioria dos nossos problemas se resolvem se a gente souber cuidar do nosso psicológico. Espero que você consiga só coisas boas sempre!

    Beijos da Carol do blogPink is not Rose

  2. Que lindo a história sabe porque?
    Porque são nesses momentos que descobrimos o amor próprio e você está no caminho certo, se ame primeiro e deixe o tempo te levar…um dia sim vai aparecer alguém que te mereça de verdade!
    Sem ansiedade heim!
    rsrs

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

  3. Luly diz:

    Que lindo, você! Que LINDO, você. Que lindo, lindo, lindo, lindo, liiiiindo você, migo! Que maravilhoso você conseguir se ver tão… MARAVILHOSO também! Que post gostoso de ler e saber que algo vai bem pra alguém que é de bem. Que lindo, lindo mesmo, lindo forte, fiquei feliz (e esse tem sido um sentimento raro pra mim) de ter tido esse momento com essas palavras que você compartilhou!
    Continue assim, se amando. “Porque você vale muito!” E num falo da boca pra fora, não, falo com o coração!

    ps.: preciso fazer essa auto avaliação do amor peladona de mim mesma. Vai pra lista !

  4. Taciane diz:

    Uma das coisas que amo no seu blog é o quanto você tem realidades como a minha, parece até mentira… obrigada pela dica, estou na fase que preciso procurar algo como terapia ou um exercício como a meditação (estou pensando em fazer yoga) para me ajudar mais na questão da autoestima. Eu sempre tenho o costume de me achar menos do que os outros ou me comparar e etc. Sei que preciso mudar isso e essa é minha grande meta no momento, acabo transparecendo na pessoa, minha falta de confiança é o que mais me prejudica, e quem vai confiar em mim se não eu mesma né? Me amar do jeito que sou é o crucial e preciso trabalhar nisso.

    Sempre acabo desabafando nos seus comentários, mas você sempre me deixa a vontade com a maneira que escreve. Obrigada Adriel 🙂