Mais do que amigos – Parte 1

Confesso que eu sempre olhei para ele com desejo de não ser apenas uma amiga. Gostava de sua companhia, claro, mas minha mente pedia mais, muito mais. Meus lábios queriam beijos ardentes, enquanto as mãos desejavam tocar aqueles músculos enormes, que ficavam excitados a qualquer momento do dia.

Noah era aquele tipo de amigo-protetor, que ficava ao meu lado sempre que podia. Às vezes, ele gostava me provocar, fazendo piadinhas para me irritar. Mas, quer saber da verdade? Eu o achava ainda mais sexy! Qualquer coisa que ele fizesse, eu estaria na plateia para aplaudi-lo.

Nunca esqueço da primeira vez em que o vi. Eu estava caminhando pela praça de alimentação da escola, sozinha e sem rumo. Ele foi a única pessoa que saiu de onde estava para me cumprimentar e apresentar a cantina. Não foi paixão à primeira vista, mas ele realmente é atraente. E não é só a beleza que me chamou a atenção!

O Noah tem um sorriso maravilhoso. Suas covinhas já me ganhariam facilmente, mas a coisa vai além! Ele era amoroso, atencioso, preocupado e pau pra toda obra (sem trocadilhos, por favor!). Foi durante as milhares de mensagens que trocamos de madrugada que aprendi a me amar mais um pouquinho… É que eu tinha complexo de inferioridade.

Durante uma festa na casa do Noah, acabei bebendo mais do que deveria e dormi na sua cama. Não sei como fui parar lá, só sei que no outro dia acordei com ele ao meu lado. Acho que foi a partir dali que percebi que queria poder beijá-lo e não ser apenas uma amiga.

Na minha mente era impossível o Noah se apaixonar por mim, então, continuei no meu canto, nutrindo um sentimento-estranho, ao qual nunca senti antes. Ele continuava sendo amigo e presente. Tudo normal, aparentemente.

Chegou a época do Halloween e lá estava eu vestindo uma fantasia qualquer pra não chamar muito a atenção. Noah não foi fantasiado, mas passou na minha casa pra me buscar, já que meus pais viajariam mais tarde e me deixaria sem carro. Ele também se ofereceu pra me fazer companhia quando chegássemos da escola. Eu aceitei, pois tenho medo de ficar em casa sozinha.

A festa na escola foi normal. Todo mundo dançando, bebendo um pouquinho e curtindo a noite. Na hora de ir embora, eu e Noah passamos no MC Donald pra comprarmos comida. No caminho de volta pra casa, comecei a cantar uma música da Nathasha Bedingfield. A música escolhida era a minha preferida: “Love Like this”.

– Você já teve um grande amor, Ellie? – Noah soltou essa pergunta no ar, como se não não se importasse com o que dizia.

Demorei alguns segundos pra raciocinar e responder com coerência à pergunta. Soltei apenas um “não, infelizmente”, pensando que seria o suficiente.

– Eu já tive um grande amor. Na verdade, ainda tenho. Uma pena que a garota nunca percebeu. Ela pensa que eu sou só amigo. Dói pra caramba isso, Ellie. – disse ele

Juro que não sabia o que responder e só soltei um “ok”. Não estava preparada pra ter aquele tipo de conversa com o garoto que eu tinha uma queda. E se ele dissesse que gostava de alguma amiga? Não, não. Não queria passar por aquilo.

– Gosto de você, Ellie! Mas, tudo bem! Há um tempo entendi que você quer só amizade mesmo. Naquele outro dia em que ficou bêbada lá em casa, a gente se beijou e você disse que eu era um idiota. Fiquei sem entender.

Fiquei extasiada quando soube do tal beijo. Como assim eu havia ficado com ele? Será se rolou sexo no meio? Dizem que uma mulher sente quando o seu corpo está mudando, e é verdade que eu já estava sentindo algumas coisas estranhas em mim. Mas, será mesmo se o Noah foi capaz de me abusar?

2 Comentários

2 Comentários em "Mais do que amigos – Parte 1"

  1. iza diz:

    Cadê o resto ? Moss tu parou na melhor parte !!