Infantil, ingênuo, bobo… O que realmente sou?

Existe idade certa pra ser feliz? Onde está o manual contendo as instruções da vida? Só quero as respostas às esses dois questionamentos, pois viver está se tornando cansativo; a graça acabou já faz um tempo.

Tenho 23 anos, gosto de brincadeiras infantis e de estar rodeado de crianças/adolescente – talvez essas características até justifiquem os meus atos. Tô crescendo em idade, mas não em maturidade. Parece que ainda estou na casa dos 15, à espera de um namoradinho e aventuras pra contar quando estiver velhinho.

Os meus amigos vivem dizendo que sou crianção, e eu super concordo! Ainda curto seriados da Disney, músicas de artistas teens… Sonho também com uma cartinha chegando até mim com um pedido de namoro (não que eu já tenha entregue uma pra um garoto da faculdade, passando a ser alvo de piadinhas assim que cheguei ao ensino superior).

Acho uma babaquice levar tudo à sério. Claro, há momentos em que devemos agir com um tom maior de seriedade. Mas, pra que viver pilhado, emburrado, sendo grosso e nunca abrir um sorriso, mesmo diante de diversos problemas?

Meu amigo, os problemas surgem na nossa vida desde o primeiro momento em que vimos o mundo pela primeira vez. Na verdade, dentro da barriga das nossas genitoras já rolava aquela falta-de-espaço-básica pra se mexer. Logo, tretas é o que mais aparecerá na nossa vida, o que diferencia o ser humano é como ele se comportará diante de cada situação.

Eu prefiro ver tudo colorido, pois o mundo em si já anda preto e branco, com muita guerra, falta de amor, etc. Por enxergar tudo mais “simples” do que os outros e fazer piadas diante de “desgraças”, muitos me acham infantil por isso, negativando minhas atitudes.

Sinceramente, que continuem me achando uma criança.

Vou continuar, sim, dançando músicas do Rouge! Irei sorrir pra vida quando estiver no fundo do poço, mantendo no olhar aquele brilho de ingenuidade, pois passar por cima dos outros não faz parte dos meus planos e da minha personalidade.

Com certeza continuarei a escrever em diários, amando a cor rosa e flores, além de dedicar boa parte do meu tempo planejando coisas incertas. Crianção, sim! Crianção feliz e que só tem um desejo nessa vida: todos amarem e serem amados.

Pensando bem, acho que não sou tão infantil assim, pois desejo às pessoas paz, saúde, felicidade e, claro, muito amor.
5 Comentários

5 Comentários em "Infantil, ingênuo, bobo… O que realmente sou?"

  1. hellz diz:

    OI ADRIEL

    eu adorei a sua postagem porque eu me identifico demais com essas questões.

    Apesar de já estar com 20 e poucos, eu acho que nunca vou crescer, por mais que achem que eu deva. Na verdade, ser criança eternamente faz parte da minha personalidade e eu vou ver desenho e comer salgadinho SIM! HAHAHA

    beijo
    http://www.beinghellz.com.br

  2. Me identifiquei tantooooo. Sou muito assim também. As vezes paro e penso, caramba eu já tenho 26 anos, mas parece que ainda sou adolescente. Claro que no trabalho eu tomo uma postura mais séria, mas em casa a minha criança interior toma conta ahah. Beijos ♥