Tou com saudades de amar!

Do nada me surgiu uma vontade de me apaixonar, gostar de alguém e me jogar numa aventura amorosa. Em resumo: amar. Não sei o motivo, mas ando pensando muito nisso. E não… Por aqui não surgiu nenhum contatinho novo. Deve ser coisa do momento, fogo no rabo… Vai saber! 😛

Já faz um bom tempo que não me relaciono com ninguém, tampouco tenho interesse. A maioria dos homens que andei conversando só pensavam em sexo ou não queriam nada sério. De ficadas ou só mais um contatinho na lista, estou cansado.

Quero é um amor-verdadeiro, daquele que fará eu ficar ansioso pelo encontro à noite; alguém que esteja presente nos meus pensamentos e só me traga boas lembranças… Busco por uma pessoa que seja madura, mas que isso não torne-a um pé no saco.

Não sei quando, onde e como irei encontrar a tal pessoinha. Porém, de uma coisa tenho certeza: eu estou pronto e disposto a amar novamente.

Depois de vários tombos, relacionamentos complicados e paixões platônicas, acho que agora vai dá certo. Se tem uma coisa que não perdi até hoje, foi a esperança de que ainda terei ao me lado alguém incrível, que me complete e faça os meus dias ainda mais felizes.

Esse alguém que busco pode ser com mesma aparência do meu professor preferido da faculdade e com o jeitinho do cara que trabalha comigo. Tudo bem se a pessoinha que surgir for o oposto de mim e me surpreender positivamente. Ok também se não aparecer ninguém.

Eu só quero voltar a amar! Desejo apenas sentir aquelas sensações malucas de tremer o corpo ao ver a pessoa, sonhos românticos e bla bla bla. Estou de braços abertos para receber o próximo mozão. Não quero que ele venha rapidamente, mas demore o tempo que for necessário pra ser um relacionamento incrível. 💗
Comente Comentários

Afraid

medo

Há dias venho querendo escrever algo mais “pessoal”. Palavras sobre mim e o meu dia a dia, sabe? Contudo, acredito que eu esteja passando por um bloqueio criativo (e ficando com muito medo!), onde a inspiração resolveu desaparecer por uns tempos. Quando ela voltará? Esse é o grande problema: não tenho a mínima ideia sobre quando voltarei a estar motivado pra fazer o que antes achava superinteressante.

Atualizar blog já não é mais tão legal quanto antes; postar fotinhas no Instagram nem me passa pela mente; ficar online nas redes sociais é algo que virou “obrigação”, só pra dizer a todos que ainda tô presente no mundo virtual. E assim os dias têm passado…

O ano começou, estamos finalizando o primeiro mês de 2018 e eu ainda continuo com trocentas dúvidas sobre o que fazer e qual rumo seguir. Resumindo: tá tudo muito louco e eu perdido! De vez em quando algumas pessoas conseguem me mostrar uma direção, mas o medo ressurge.

Medo eu sempre tive, é verdade. Anseios dos mais bobos à coisas bem tensas. Diariamente sofro ao enfrenta-los. Sim, ao invés de deixar os medos de lado, prefiro encarar, saber o motivo deles aparecerem, etc. Só que, às vezes, a gente fraqueja e cai.  E eu caio (quase) todos os dias. Mas o levantar é o melhor, pois a esperança é renovada e a coragem revigorada.

Não tenho a mínima noção de como organizar a bagunça da minha vida, porém… A fé que tenho em Deus é maior do que o medo. Por isso, sigo de cabeça erguida. Um passo de cada vez, controlando a mente na medida do possível e amando. Mesmo diante das dificuldades, tento manter os sentimentos de gratidão e amor comigo. Grato por tudo e amando até mesmo aquilo que me faz mal.

Sendo sincero, acho que ser adulto é, basicamente, dar um passo de cada vez e ir descobrindo as aventuras que o universo guardou pra gente. E eu tô nessa luta diária, tentando encontrar o sentido de tudo. 

2 Comentários

Um desabafo sobre “Minha vida fora de série 4”

Falar sobre a Paula Pimenta me deixa um pouco mais ansioso do que o normal. Pudera, né? Os livros dessa mulher me acompanham desde a época em que entrei na faculdade, lá em 2013. Até hoje, quando descubro que haverá lançamento de mais uma obra, entro em desespero. Foi o que aconteceu com “Minha vida fora de série 4”! 💗

Minha vida fora de série 4, de Paula Pimenta

Em 31 de agosto de 2017 foi lançado “Minha vida fora de série 4”, mesmo dia e mês do meu aniversário. Com certeza não haveria presente melhor pra eu receber. Infelizmente, só fui lê-lo agora, em janeiro. E foi a melhor decisão que fiz, pois comecei a minha maratona literária com o pé direito. 😍

Na 4º temporada da saga “Minha vida fora de série”, temos pouco mais de 400 páginas contando o estado de Rodrigo após terminar o namô com a Priscila-chatiane. Sim, o livro é TODO narrado pelo Rod. Sendo sincero: AMEI! E não, não gosto do Priscila. Sempre achei a personagem muito imatura, inconsequente e mimada. #paz

Novos personagens aparecem, romances, aventuras e viagens. Esta temporada está cheia de coisas fofas e sentimentalismo. Finalmente a gente pode entender a mente do Rodrigo e torcer por um recomeço bacana. É daí que surge Julie, Antonella, os caras de uma banda, Mrs. Becker e afins. Peguei um amor por cada personagem gringo que apareceu e acabei achando os brasileiros um chatões. 👎

Minha vida fora de série 4, de Paula Pimenta

“Minha vida fora de série 4” continua tendo a mesma diagramação dos demais livros: conversas por e-mail, torpedos, tweets, etc. A novidade é que a Paula Pimenta inseriu também trechos em inglês (com tradução no rodapé, claro!), o que trouxe mais realismo à história. Ah!, as citações de frases de seriados a cada capítulo continua… Elas meio que dão spoiler do que acontecerá, mas, né, muitas vezes a gente acaba se enganando. (Eu acabei sofrendo antecipadamente, pensando que algo ruim ia acontecer, mas, era só quase um pedido de casamento… Ooops! 😛)

Sou suspeito para falar sobre os livros da Paula, contudo, posso dizer com todo o meu coração que “Minha vida fora de série 4” é a obra mais madura, completa e linda já lançada pela autora. Supera demais “Fazendo meu filme” e os demais. É um comeback que te faz chorar, sorrir, suspirar, ficar com raiva… Uma mistura de todos os sentimentos possíveis!

Se você ainda não conhece nada da Paula Pimenta, saiba desde já que está perdendo um ótimo trabalho. De todos os escritores brasileiros que já li até hoje, somente ela me faz suspirar com suas histórias. Como o prefácio do livro diz:

“Não sei se é pela simpatia, por viver no mundo da lua ou por acreditar tão avidamente no ‘felizes para sempre’ que eu chego a pensar que a Paula nem é gente de verdade, e sim uma personagem de contos de fadas que saiu por aí, fugida, querendo de qualquer jeito contar novas histórias”.

 

Editora: Gutenberb / Páginas: 448 / Gênero: Literatura infanto-juvenil

 💗 Fotos: Letras na gaveta

1 Comentários