Sobre maturidade, desejos e objetivos

Desde que me entendo por gente, sempre fui o mais diferentão da galera que conheço. Enquanto muitos pensavam em festas, eu ficava em casa estudando; quando todos estavam de namorinhos na escola, lá estava eu pirando por conta de um novo romance que chegou na biblioteca. Sempre foi assim. ✌

Porém, cheguei na faculdade (lá em 2013) e dei de cara com uma nova realidade. Todos tinham relacionamento sério (ou estavam à procura de um), haviam meninas grávidas, outras bem novinhas e já casadas. Enfim, um mundo novo cheio de mistérios pra eu desvendar.

Ao todo, 2 anos após a entrada na faculdade eu comecei a sentir necessidade de também ter um relacionamento. Acho que é coisa do relógio biológico de cada pessoa, né? Ou isso só existe em relação às mulheres x gravidez? 👅

Loucuras à parte, sinto que a cada dia estou me preparando pra um relacionamento. Mas não é qualquer coisa! Busco uma relação séria, com alguém sério e que queira construir algo sério. Acho que deu pra entender, né? S-É-R-I-O!

Não estou procurando ninguém babaca como todos os caras do passado. Quero agora alguém que me complete, tenha planos pro futuro e seja de boa com a vida. Chega de novinhos que mal sabem o que querem; chega de crushes que nada têm a ver comigo. Chega. Apenas chega.

Estou indo pra casa dos 23 e percebi que a cada ano a gente amadurece mais. No meu caso, o lado do amor está se desenvolvendo bem… Todo aquele romantismo que carrego dentro de mim está sendo bem administrado, usado de forma correta e com as pessoas que demonstram merecer.

Dizem por aí que a maturidade vem pra todos e eu concordo tanto com essa ideia! Pra alguns ela aparece mais cedo, tipo uma prima que ficou grávida na adolescência; já pra outros – tipo eu! – o universo vai nos deixando entender mais a vida, as pessoas, enfim, o mundo.

Não é ruim demorar um pouquinho pra amadurecer. Amadurecimento nada mais é do que conhecer o seu corpo, a sua vida… Tudo no seu tempo! Minha dica? Curta a sua vida, seja infantil ou adulto quando achar necessário e, o mais importante, seja feliz do seu jeito!  😘
12 Comentários

“Friends From College”: nova série nostálgica da Netflix

Ainda não terminei a faculdade, porém, desde já tenho medo de me desconectar dos amigos que fiz nela. Você sabe: em um relacionamento, ambas as partes devem estar em sintonia, não bastando apenas uma se importar.

Em “Friends From College”, nova série produzida pela Netflix, nos deparamos com um grupo de amigos que se conheceram há 20 anos, na Faculdade de Harvard. Alguns seguiram carreira jurídica, outros foram para a área literária e tem também o rico que vive bancado pela fortuna dos pais (consegue adivinhar quem é através da foto acima? Fica o desafio! 😛).

A série em si é bobinha, engraçada e traz flashbacks do passado de cada personagem; é através desse recurso que passamos a entender o porquê de muitos estarem traindo os(as) cônjuges. 😵

Mesmo na casa dos 40 anos, Ethan, Sam e sua trupe conseguem mostrar que idade é algo relativo: alguns perdem com o tempo a disposição pra viver altas aventuras, mas tem aqueles que aguentam sexo bruto, farra e coisas do mundo jovem. Ou seja: sim, na série veremos os migos fazendo coisas que nós, jovenzinhos, só sonhamos mesmo. 😀

Você deve estar se perguntando se eles moram na mesma cidade desde sempre. Lhe respondo: após a faculdade, cada um seguiu sua vida indo pra outras cidades e até mesmo países diferentes, mas nunca esqueceram da importante amizade que começou em Harvard.

Se pudermos tirar uma lição de “Friends From College”, seria, basicamente, entender o quanto os amigos são importantes na nossa vida, tanto nos aspectos financeiros quanto psicológicos. Como já dizia alguém por aí, os amigos são a família que nos permitiram escolher.

Fica aí a dica do seriado, migas! 🙂

Resumo

Nome: “Friends From College” (Amigos da faculdade)

Lançamento: 14 de julho de 2017

Gênero: Comédia

Duração: 30 min cada um dos 8 episódios da primeira temporada

Disponível: Netflix ou downloads ilegais  😉

Sinopse: Vinte anos depois da graduação, um grupo de amigos da faculdade se reconecta e descobre que o amor não ficou mais fácil com a idade.

6 Comentários

Sou fácil, mas nem tanto

Modéstia à parte, sou uma pessoa fácil. Pra conversar, pedir um favor, paquerar, etc. Me considero “acessível” pelo fato de não colocar dificuldade. Se é pra já, faço agora. Se é pra depois, adianto o negócio.

Porém, sentado numa mesa de bar, percebi que não sou tão fácil assim! Na verdade, fiquei foi assustado quando me deparei com pessoas mais de-boa-com-a-vida do que eu. Talvez eles sejam seres mais evoluídos e bla bla bla.

Deixa eu resumir…

Estava eu, nesse fim de semana, no boteco com uma amiga. Papo vai, papo vem até a gente ficar de olho numa turminha de gente descolada, na mesa ao lado. Claro que não estávamos paquerando, pois fomos apenas curtir a noite num lugar legalzinho.

Após algum tempo, o povo descolado foi embora, ficando apenas um casal. Eu conhecia o menino, por termos amigos em comum e saber que ele é gay. Daí a dupla começou a se pegar, dando amassos em público. Jurava que ia rolar sexo no meio de todo mundo. Graças a Deus eles se aquietaram, porque um homem apareceu chamando eles pra se juntar à outra mesa.

Lá vai o detalhe mais importante: o casal foi pra mesa de gente que não conhecia, e depois entraram no carro de desconhecidos.  Na melhor das hipóteses, iriam pra alguma festinha particular; na pior, provavelmente participariam de orgia.

Vendo as cenas “narradas” anteriormente, percebi que de fácil eu não tenho nada! Jamais entraria em carro de desconhecidos, pois já penso em sequestro, assalto, estupro e por aí vai. Fiquei abismado, principalmente, por saber que esse tipo de atitude é “normal” em cidade grande. O povo realmente se junta com outras turmas e foda-se o perigo.

Não, não, não! Mamys me deu boa educação e discernimento justamente pra eu não me entregar aos perigos da vida facilmente. Ir pra mesa de estranhos, ok. Sair no carro de desconhecidos? Já fiz isso uma vez e, sério, não recomendo. Quando o efeito da cachaça passa, você começa a ver o grau de periculosidade.
Aliás, você deve estar se perguntando como eu soube que o casal saiu com desconhecidos. Simples: em grupo de WhatsApp, o carinha falou das aventuras que passou na noite anterior. Mancada total.
8 Comentários