Rita Lee – Uma autobiografia: motivos para amar uma véia roqueira

Rita Lee: quem não a conhece? a conhece já deve ter ouvido os seus grandes hits, tais como “Erva Venenosa”, “Lança Perfume” e “Amor e Sexo”. Além disso, é inegável o fato de que Rita Lee é um patrimônio cultural brasileiro ainda vivo, e que super representa os jovens de hoje: todos modernos, descolados, com sede de lutas sociais e bla ba bla.

Porém, a vida de Rita Lee é bem mais interessante do que suas músicas, e podemos perceber isso claramente no livro “Rita Lee – Uma autobiografia”. A obra foi publicada em 2016 pela Globo Livros, totalizando atualmente mais de 200 mil exemplares vendidos.

Após alguns (vários) anos longe dos palcos e tentando fugir da mídia, Rita resolveu lançar a sua autobiografia relembrando fatos de sua infância, juventude e, claro, o “glorioso” mundo da fama. Na biografia, a cantora afirmou que escrever um livro foi a melhor terapia que já fez, exercitando o autoconhecimento.

O livro Rita Lee - Uma autobiografia já vendeu mais de 200 mil exemplares

A obra

“Rita Lee – Uma autobiografia” traz tristes detalhes sobre a vida da queridíssima estrela do rock brasileiro, como o abuso sexual que sofreu na infância (momento em que perdeu a virgindade), a expulsão do famoso grupo “Os Mutantes” e o envolvimento com as drogas.

Infelizmente muita gente que conhece a Rita, desde o início da carreira, pensa que ela ainda é drogada, porra-louca e malucona. Ok, malucona ela ainda é (!), mas drogada não. Em várias páginas a cantora fala sobre as vezes em que teve de ir ao “hospício” tratar o seu vício por drogas e bebidas. Em resumo, para se livrar da droga, a doidona teve que rever os focos de sua vida e escolher qual seria o melhor caminho: limpeza total com a família ao lado ou viver na solidão junto com as coisas ruins (as drogas, óbvio!).

“Rita Lee – Uma autobiografia” é um dos melhores livros de seu gênero já publicados nos últimos anos. Tem uma excelente escrita, é bem desenvolvido… Rita poderia explorar alguns assuntos, mas preferiu deletar da sua memória e não expor. Achei super válido, afinal, tem coisas que é melhor esquecer do que propagar.

Se a leitura vale à pena? Claro que vale! Mesmo você não sendo fã, o livro é importante para entender um pouco como funciona esse negócio da fama, os tempos passados (alô, ditadura!) e por aí vai. 😉

16 Comentários

E agora: pedir ou não demissão do emprego?

É muito triste você cogitar um pedido de demissão, pois isso demonstra que a sua relação de trabalho (com o patrão, colegas de trampo ou superiores) não anda muito bem. Mais chato ainda é sentir-se com medo de tal atitude, já que estamos vivendo no Brasil uma crise financeira horrível.

Coloca aí na balança mais algumas coisas: muitas dívidas em casa, último ano de faculdade pra pagar e mais dívidas, claro. Um pedido de demissão, diante de tanta responsabilidade, não deveria nem passar pela cabeça de alguém, certo? Porém, passou por a minha mente durante dias e dias, e eu fui ao R.H. anunciar minha saída do meu último emprego (ainda em fevereiro).

Não é algo que eu me orgulho, pois deveria ter continuado mais um tempinho pra acumular um dinheiro, porém… sabe quando você já não suporta o trabalho, as pessoas e, principalmente, o chefe? Pois é!

Já disse várias vezes aqui no blog que não tenho medo de mudar e lutar por aquilo que amo. Quem lembra da época em que troquei o Marketing pelo Jornalismo? Quebrei a cara no fim de tudo isso, mas serviu como aprendizado.

Dessa vez, troquei o mundo da publicidade por paz. Precisava dela, sabe?! Chegar cedo no trampo, ficar até tarde e não ser valorizado não é algo que alguém gosta e que eu devo aceitar (você também não deveria!).

Lembra daquela lição de que devemos respeitar o espaço e os direitos alheios, da mesma maneira que queremos que os nossos sejam respeitados? No meu antigo trampo não rolava nada disso! Eram gritos, falta de respeito, humilhação sem motivo com todos da equipe… (Para não dizer que é exagero, após a minha saída, TODOS também fizeram o mesmo.)

Mais importante do que um emprego e salário certo todo 5º dia útil do mês, é a sanidade mental. No meu caso, não estava tendo tempo pra viver a minha vida, não via salário na data certa e bla bla bla. Sendo assim, o pedido de demissão foi como uma libertação; como se eu estivesse preso num quarto e, do nada, recebi forças pra fugir.

Atualmente estou trabalhando como freela, o que não cobre todas as dívidas que ainda estão na fila pra serem quitadas, mas por aqui há paz, esperança e alegria mesmo diante de tantos problemas. Logo, não vale NUNCA à pena você perturbar sua mente num emprego que só te deixa pra baixo, atrasa os seus planos de ser feliz e te machuca (por dentro e por fora).

Minha dica? Mesmo que você enfrente dificuldades, opte sempre pela felicidade e paz. Não há dinheiro que pague a boa sensação de almoçar sem pressa, ter tempo pra você e sua família… Trabalho tem em todo lugar e já, já Deus te abençoa com um novo e melhor. #oremos

Outra coisa: não crie trauma do antigo trabalho/profissão. Tente pensar que foi aprendizado, afinal, você teve a triste oportunidade de conhecer o pior lado do ser humano, quando ele é ignorante, insensível e idiota.

7 Comentários

Atualizando os babados

Primeiro gostaria de pedir desculpas pelo sumiço… ou por aqui não rola desculpas nem com o dono do blog? 🙏 Acho que deveria avisar aos leitores (e aos futuros readers, claro!) que não temos uma data certa pra publicações, então ficamos assim: quando a coragem e inspiração aparecerem, este espaço será atualizado. 😝

Mas, menina, vamos logo ao que interessa. 🏃‍♀️💃

A vida anda tão complicada, sabe?! Aconteceram tantas tretas que nem sei por onde começar. Vou fazer um resumão geral… depois, quando a tal da coragem surgir, escrevo sobre tudo com calma. 👍

Nos últimos 30 dias rolou pedido de demissão do emprego, acidente após sair do estágio da faculdade, avô doente e MUITAS contas atrasadas. O que ainda me mantem animado são: Deus, minha família/amigos, Cameron Sanderson, All Time Low, faculdade e aulas de inglês.

Ando me sentindo sem rumo, perdido e, claro, criando ainda mais planos pro futuro. 🙁 É um negócio de querer morar em cidade grande após terminar a faculdade, fazer intercâmbio na Inglaterra (e acabar morando por lá mesmo!), encontrar mozão… 💙

Foquemos em Adriel-precisa-encontrar-um-mozão, pois desde 2015 não fico com ninguém. Tô até me sentindo b.v. novamente. 😂Brincadeiras à parte, aqui continua mais ou menos assim: continuo querendo quem não me quer e aprendendo com os relacionamentos das migas o que não devo fazer quando tiver um maridinho. 😍

Até o momento não pensei em desistir da luta. Aliás, Deus é tão lindo que diariamente me traz força e esperança de dias melhores. Penso que esta é só uma fase ruim e já, já encontrarei um trampo bacana, meu avô melhorará e a minha animação pra encarar a vida voltará. Se nada disso acontecer, firme e forte continuarei por aqui. 🙏

E quer saber de mais uma coisa? Chorar às vezes é sinal de fraqueza sim! Até agora eu tive motivos pra tanto choro, porém, sigo intacto e com o coração valente. Valeu pela força, Cameron e All Time Low! 💙

Sobre o acidente: um carro bateu em mim e, felizmente, só danos materiais. Estou ótimo! Quanto às contas atrasadas: tô trabalhando como freela e na luta diária. 😘

14 Comentários