Talvez eu esteja louco…

Ouvindo “Breath Low”, da Alesha Dixon

Faltam poucos minutos pro fim do expediente! Tenho muita coisa pra fazer… Muitas do tipo muitas mesmo! Relatório mensal, atualização de banco de dados, monitoramento das redes sociais… A lista é imensa e eu não estou nada preocupado. E não estar preocupado faz eu ficar preocupado! 😛

Mas eu não quero escrever sobre isso. Triconto sobre tretas no trabalho em outra oportunidade. O que preciso desabafar é sobre a minha fissura pelo D. Tá piorando a cada dia as coisas por aqui. Deixa eu contextualizar…

Quando conheci o D., eu trabalhava na empresa x. Um ano após o D. ir embora, acabei saindo da empresa. Agora, 4 anos após toda a treta, voltei a trabalhar na empresa x, porém, o meu contato com D. não retornou. Na verdade, o D. finge que eu nem existo. E eu entendo.

Não houve absolutamente nada entre eu e o D. Por que ele pensaria em mim ou viria conversar comigo? Não há motivos! Não fui especial pra ele. Nem como amigo.

Pensar sobre o meu não-relacionamento com o D. me deixa mal. Muito mal. Eu gostaria de saber como fazer pra esquecê-lo. Da internet eu já aprendi: apenas parar de procurar por novas atualizações nas redes sócias. Mas, e da mente? Como fazer pra não pensar nele, na época em que o conheci?

Tô amando o meu trabalho. De verdade. Faço as coisas que gosto, sem pressão e bla bla bla… Mas esse lugar me lembra ele. Me lembra da época em que eu ficava esperando por mensagens no celular, marcações de rolês e tals.

Tô caminhando pra casa dos 24 anos, mas pirando a cada dia. Crise de ansiedade, medo, medo, medo e mais medo. Olha, D., gostaria nem de ter te conhecido.

Affão.

1 Comentários

1 Comentário em "Talvez eu esteja louco…"